BIGtheme.net http://bigtheme.net/ecommerce/opencart OpenCart Templates
Home / Oficina / CAMIS – É Cristo que passa

CAMIS – É Cristo que passa

 

Desde que cheguei na Diocese de Petrópolis, no início deste ano, ouvi falar muito bem da Oficina de Valores, embora não houvesse tido a oportunidade de conhecê-la de perto. Assim como os outros seminaristas do propedêutico (1º ano de seminário), fui convidado a participar do CAMIS. Já tinha ouvido falar do curso durante o ano, mas confesso que não criei grandes expectativas. Mas antes de falar da minha experiência desses últimos dias, vale a pena destacar alguns pontos.

Já cursei uma faculdade e concluí o curso de Engenharia de Produção antes de entrar no seminário, e digo que tive muita sede de “uma oficina” ao longo dos meus anos de estudo. Existe um desejo profundo, uma sede, em toda e qualquer alma humana de conhecer a verdade. Alguns podem ter esse desejo adormecido, outros podem negá-lo forçando-o a um “coma”, outros podem buscar saciá-lo com meias verdades ou até mesmo com mentiras; mas a satisfação desse desejo só se dá quando encontramos a Verdade e passamos a viver na Verdade. Isso é algo tão indispensável quanto dispensado pela maioria das pessoas.

Graças a Deus, os que tiveram este encontro têm consciência da radicalidade e da importância desse acontecimento e – por ele mesmo – recebem o amor e a vontade necessários para torná-lo possível a outros, independente de quem seja.

Digo tudo isso para agradecer a Oficina de Valores por estes dias de CAMIS. Não foi bem um primeiro encontro com essa Verdade, mas um reencontro profundo. Um encontro novo. Um encontro não só para conhecê-La mais a fundo, mas para aprender a melhor viver Nela e a levá-La aos outros. Para tomar mais consciência da urgente necessidade de desapegar-se de si mesmo e ir a caminho de quem ainda está em si mesmo.

Agradeço profundamente a Oficina de Valores por este retiro. São poucos os que têm a capacidade de executar trabalhos no alto nível em que esse foi realizado. Agradeço pelos ensinamentos tão valiosos passados com extrema honestidade, pelas amizades feitas e por toda alegria proporcionada nestes quatro dias.

Que Deus abençoe a todos da equipe para que continuem fazendo esse trabalho maravilhoso e indispensável, que poucos fazem. Contem sempre com a minha ajuda, no que for possível, e com as minhas orações.

 

Marcelo Ferreira
Seminarista no Seminário Nossa Senhora do Amor Divino
Participante do retiro CAMIS – Caminhos para Missão

 

 

*             *             *

 

Certa vez, ouvi um padre dizer a seguinte frase de Santo Agostinho: ”Tenho medo do Cristo que passa sem que eu perceba”. Uma frase impactante, que provoca uma profunda reflexão. A presença de Cristo foi marcante para a humanidade, tão marcante que a história é contada antes e depois da vinda dele a este mundo. Então, como é possível que essa presença tão ímpar não seja percebida?

Essa pergunta leva-me a refletir em tudo o que vivi nesses últimos dias. Aconteceu na nossa diocese um curso chamado CAMIS, Caminhos para Missão, do qual participei. Confesso que a proposta do curso era desconhecida para mim, sabia apenas que seria simples e profundo, de fato foi assim. O curso tem um apelo vocacional e nos atenta para a necessidade de ouvir a Deus, ouvir o que Ele tem preparado para nós, qual o chamado Dele para nossa vida.

O objetivo dessas mal traçadas linhas, caro leitor, é testemunhar como essa proposta me impactou e modificou meu modo de pensar algumas realidades da vida.

Logo que chegamos, as seguintes questões nos foram apresentadas: ”Qual o teu projeto de vida?”; e ”O teu projeto de vida é pensado a partir da tua vontade ou de acordo com a vontade de Deus?”. O meu sempre foi pensado de acordo com a minha vontade, afinal de contas, sou eu que respondo por mim, devo ter maturidade suficiente para assumir as consequências do meus atos e Deus não teria participação nisso uma vez que Ele me concede a liberdade. A desconstrução desse pensamento começou com a seguinte frase dita: ”Vocação acertada, futuro feliz”. Perceba, caro leitor, que na afirmação que fiz acerca do projeto de vida, não há menção a palavra “felicidade”.

No fundo, tudo o que nós procuramos é essa tal felicidade, senão tudo o que fazemos é vazio e perde o sentido. E ela não pode ser medida, não se quantifica felicidade. O que eu estava fazendo era tentar ”calcular felicidade” de acordo com as consequências das minhas escolhas e isto estava me levando a frustração. Durante o curso, pude ter contato com muitas experiências vocacionais, com a beleza e as dificuldades específicas de cada realidade. O que notei foi que essas pessoas são realizadas nos seus modos de viver e percebi isso pela simplicidade e leveza dos relatos. Tudo isso me levou a repensar o meu projeto de vida: continuo sendo responsável pelas minhas escolhas, mas elas serão feitas de acordo com a vontade de Deus.

Outro ponto importante que foi matéria de reflexão foi o que é ser Igreja. É fazer parte do corpo em que Cristo é a cabeça. E uma frase importante dita foi: ”A missão de um é a missão de todos”. Nos momentos de oração, a palavra que mais vinha no meu coração era comunidade. Até então, fui um cristão que não dava a devida importância que a comunidade tem na vida do fiel, e isso tornava minha fé estéril. É no encontro com o outro que eu sou revelado a mim mesmo, o cristão é um ser comunitário. Eu não compreendia isso e, portanto, não compreendia o cristianismo.

Em um dos dias tivemos contato com a Comunidade Jesus Menino. Ela é reconhecida a nível mundial como uma das maiores comunidades pró-vida que existem. O serviço desempenhado lá é maravilhoso, o cuidado, a atenção e o amor que os voluntários dedicam aos meninos é impossível expressar em palavras, só se tem a noção do que é quando visitamos o lugar. Foi lá que eu encontrei o Cristo, lá está o Cristo que passa no rosto e no abraço de cada filho da comunidade. Onde está o irmão que sofre, que é rejeitado e abandonado, que é incompreendido, aí está Cristo. Muitas vezes não O percebemos porque estamos tão acomodados na nossa fé egoísta que fechamos os olhos aos que sofrem.

Eu não quero nunca deixar Cristo passar sem enxergá-Lo, sem tocar Nele e ser tocado por Ele e acho que nenhum cristão deveria querer isso.

 

Murilo Henrichs
Estudante de Física
Participantes do retiro CAMIS – Caminhos para Missão

Sobre Oficina de Valores

Veja Também

Não sei, só sei que foi assim

Era um dia como outro qualquer. Céu meio encoberto, um raio de sol pegava ali ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *