BIGtheme.net http://bigtheme.net/ecommerce/opencart OpenCart Templates
Home / Sentido da Vida / Sobre valores e algodão-doce

Sobre valores e algodão-doce

 

 

 

 

Vida: palavra simples para esconder a grandiosidade que existe nela. O que vale, quanto vale para ganhá-la ou tirá-la? Não deveria, mas essa tem se tornado uma escolha. Ainda pensando nisso, essa semana ouvi uma criança dizer à sua mãe: “Sem algodão doce minha vida para!” Tenho refletido desde então. Pensei no que pode fazer uma vida parar, ou fazê-la estar em movimento. Qual é o algodão-doce da minha vida e o da sua?

Acabei me lembrando de um trabalho da faculdade, o objetivo era fazer a releitura de uma fotografia e explicar seu significado. Escolhemos uma fotografia simples: um homem com uma nuvem luminosa e cheia de raios em sua cabeça. Nela utilizamos um algodão-doce para representar a nuvem, afinal, quais são as nossas preocupações? Será que elas são realmente tão grandes ou somos nós quem as aumentamos? O artista, com seus trabalhos surrealistas e conceituais, retrata de uma forma gentil os dramas vividos por todos nós.

Acontece que, muitas vezes, esse “algodão-doce” não é tão doce quanto seu nome sugere. Existem algodões sem gosto, amargos, que não passam por nossas gargantas. Até mesmo o próprio doce, nem é tão doce assim ou então simplesmente não é do nosso agrado. Mas como fazer um que seja do nosso próprio gosto? Um algodão doce ideal para mim, para você e para todas às mais de sete bilhões de pessoas existentes no mundo. Se você ainda não entendeu o que quero dizer ou onde vou chegar com esse monte de açúcar, estamos chegando ao objetivo.

Em muitos momentos temos vivido semelhantes aos robôs. A subjetividade, as emoções da vida ficam pra depois – ou não ficam, vão embora. O modo automático de viver está ligado e não há quem saiba controlar manualmente as coisas. Um mundo sem valores está sendo construído com a sua e a minha colaboração. Mesmo não estando de acordo, sem querer, contribuímos com o nosso modo de pensar e nosso agir, principalmente. A questão é saber, através dos valores que acreditamos e defendemos, para onde estamos levando o mundo e para onde estamos nos levando.

Voltando à questão inicial do texto, o que para a sua vida e o que a coloca em movimento? Esse algodão representa a nossa vida e o que dá sabor a ele somos nós quem decidimos. Ficamos empacados em nossas dificuldades e isso nos impede de seguir em frente e escolher um caminho novo, nos preocupamos demais e esquecemos de nos manter ocupados. Nos prendemos às coisas vãs, de pouca importância e não damos valor a tudo. Tudo mesmo. Nossos planos nos levantam todos os dias, talvez à esperança de um dia melhor. Ou será que são só nossas obrigações nos acordando para mais um dia como o anterior? E os nossos sonhos, não sabemos onde estão ou, muito menos, se ainda nos pertencem. Temos que valorizar cada instante, como diz em uma canção: “passado não volta, futuro não temos e o hoje não acabou”. O segredo é tornar sua felicidade valiosa e não permitir que ela dependa de algo que você possa perder.

Muitas perguntas são feitas por nós a nós mesmos e, sem saber as respostas da vida, nos levam a pensar que qualquer resposta, a primeira que encontrarmos, pode ser a alternativa correta. A verdade é que não há uma fórmula a ser seguida, mas existe um caminho que nos direciona até a procura pelo resultado. Esse caminho se encontra muito perto e distante ao mesmo tempo, é necessário olhar com os olhos do coração. Do seu coração, lá você se encontrará. Neste coração, mora a essência do que é preciso para viver. Toda vida é preciosa e tem suas peculiaridades, suas características. O que acontece é que não sabemos como usá-las e preferimos descartá-las. Ora, se todos fossem iguais, qual seria a essência da vida?

Nossas maiores dificuldades moram dentro da gente. O que deve ser mudado é o nosso olhar sobre elas, na esperança de que, com certeza, um destino extraordinário nos espera do outro lado. É como aprender a andar de bicicleta, as quedas têm a finalidade de nos preparar e nos tornar mais fortes até que estejamos bons o suficiente para traçar uma distância maior, com mais equilíbrio.

O que podemos fazer por nós mesmos hoje? Eu te desafio a pegar um papel e uma caneta e escrever todos os seus sonhos. Quais são os seus sonhos, os seus valores? A primeira vez que fiz isso foi difícil, eu admito, me senti como se fosse ficar presa ali para sempre; me enganei e ao escrever o primeiro sonho não consegui parar e vi tudo aquilo passar rápido demais até. Mas só foi tão difícil porque eu nunca tinha feito isso antes. Eu nunca tinha parado para pensar sobre como eles são importantes e fazem tanta diferença na minha vida. Agora eu vivo por eles!

Mariane Ignacio
Estudante de Jornalismo

Sobre Oficina de Valores

Veja Também

Cair na rotina

Podemos dizer que algo caiu na rotina quando nos acostumamos a uma coisa e perdemos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *