BIGtheme.net http://bigtheme.net/ecommerce/opencart OpenCart Templates
Home / Cristianismo / Viver a mansidão de Jesus

Viver a mansidão de Jesus

A paciência é uma virtude que faz suportar algo sem perder a calma; que aguenta com tranquilidade uma eventualidade, tristeza; resignação. Portanto, quando penso na palavra paciência e em todo o seu significado, busco a semelhança desta com a palavra manso e ou mansidão que significa aquele que possui o gênio brando; que é suave e pacífico; de temperamento fácil. É nítido que as palavras são distintas, mas apesar disso, se assemelham.

Uma pessoa que possui a virtude da paciência é aquela que transparece a calmaria, se apresenta tranquila nas adversidades da vida e as leva de forma mais branda, ou seja, da maneira mais pacífica possível. A virtude da paciência é difícil de praticar hoje em dia, pois as pessoas são totalmente diferentes umas das outras, entre personalidades, culturas, religião, gestos e gostos. Em um mundo tão desgastado pela falta de compreensão, respeito ao próximo e tolerância, ser paciente é um desafio e tanto, não é mesmo?

Nesta reflexão sobre paciência x mansidão, percebo que quando colocamos as duas em concordância, conseguimos lidar com ambas e praticá-las melhor. Se possuirmos a paciência de agirmos com calmaria perante as circunstâncias de nossas vidas, podemos com a mansidão ser suaves e pacíficos e possuir um temperamento que nos ajuda a lidar melhor com aquilo que nos impossibilita de possuirmos um gênio cauteloso, ou seja, aquilo que nos desvirtua de sermos pacientes e compreensivos, pois ser paciente, também é compreender.

A mansidão é manter a paciência e o respeito, você passa a olhar pessoas e situações da vida de forma a compreender melhor os períodos de estresse e ou tristeza e além de compreender, conviver. Uma pessoa que possui a mansidão, não se deixa levar quando está irado, ela – antes de tudo – reflete sobre suas atitudes e ações que serão impostas, é sábia, não é amarga e age de forma coerente.  A mansidão é um dos frutos do Espírito e vem da submissão e confiança em Deus.

Na Carta de Tiago (1, 2-4), diz-se: “Considerai que é suma alegria, quando passais por diversas provações, sabendo que a prova da vossa fé produz a paciência. Mas é preciso que a paciência efetue a sua obra, afim de serdes perfeitos e íntegros, sem fraqueza alguma. Se alguém de vós necessita de sabedoria, peça a Deus que a todos dá liberalmente, com simplicidade e sem recriminação e lhe será dada.”

Nada melhor que seguirmos o conhecimento, orientação e o caminho de nosso Senhor Jesus, Aquele que levou toda sua vida praticando a virtude da paciência e sendo manso, bondoso a todo momento. Não podemos deixar essa virtude tão magnífica guardada em nossos corações, é necessário praticá-la e, caso tenhamos quedas, peçamos a Deus a sabedoria de vencê-las.

No Evangelho de Mateus (11 29-30), diz-se ainda:  Tomai meu jugo sobre vós e recebei minha doutrina, porque eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para vossas almas. Porque meu jugo é suave e meu peso e leve.

Fazendo um gancho com as bem-aventuranças de nosso Senhor Jesus, observamos que o Evangelho diz: “Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra” (Mt 5,5), podemos concluir que elas não são apenas um comportamento que devemos seguir, mas sim a própria vida de Jesus, que traz para nós o caminho único para a salvação, pois Ele foi e é o verdadeiro manso, pobre e humilde, único entre todos. Vivermos a mansidão aqui na terra é um privilégio, levar a vida com mais leveza e tratá-la sempre com nossos olhares fixados naquele que tanto nos ama e por amor nos ensinou aquilo que seria fundamentalmente importante, para vivermos os seus mandamentos e, se obedecemos a Ele, posso afirmar que, sem dúvidas, seremos mansos e pacientes.

Por fim, eu diria, com toda convicção, que vivermos a mansidão aqui na terra é um privilégio, não um fardo! O importante é seguirmos convictos em levar a vida com mais leveza e tratá-la sempre com nossos olhares fixados Naquele que tanto nos ama e por amor nos ensinou aquilo que será fundamental para vivermos os mandamentos: sermos mansos e pacientes.

Nívea Coutinho

Oficina de Valores

Sobre Oficina de Valores

Veja Também

Testemunho vocacional – Padre Carlinhos

Posso afirmar, sem hesitar, que aos sete anos de idade descobri minha vocação para a ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *